Diabetes

Os alimentos que consumimos passam pelo processo de digestão no organismo e a maior parte deles se transformam em glicose (tipo de açúcar com a função de fornecer energia) no organismo. Esta, presente no sangue, é captada pela insulina produzida pelo pâncreas, responsável por transportar a glicose para dentro das células.


O Diabetes Mellitus (DM) é uma síndrome causada pela:

  • Falta total ou parcial de insulina no organismo
  • Incapacidade da insulina de exercer sua função no organismo

A falta total da produção de insulina no organismo, caracterizada como a Diabetes Tipo I, é decorrente da:
  • Destruição das células Beta do pâncreas sem causa definida
  • Defeitos genéticos das células Beta do pâncreas
  • Defeitos genéticos na ação da insulina no organismo
  • Patologias que acometam o pâncreas
Neste caso o paciente é insulinodependente, ou seja, precisa tomar insulina para suprir a necessidade do organismo. Este tipo é mais comum em crianças e adolescentes e com freqüência que apresentam antecedentes familiares de diabetes.


A deficiência parcial da produção de insulina ou a resistência à insulina, caracterizada como a Diabetes Tipo II, é decorrente da:
  • Obesidade
  • Uso de medicamentos que aumentem a glicemia (aumento do açúcar no sangue)
  • Infecções

Neste caso o paciente não é dependente de insulina, porém sem os cuidados necessários, pode tornar-se insulinodependente. Este tipo é mais comum em adultos.

As pessoas que possuem maior risco de desenvolver o Diabetes Tipo II na fase adulta são:

  • Pessoas com excesso de peso (sobrepeso ou obesidade)
  • Pessoas que apresentem antecedentes familiares de diabetes
  • Falta de atividade física
  • Maus hábitos alimentares
  • Hipertensão Arterial

Os sintomas são parecidos nos dois tipos, com apenas algumas diferenças:

Diabetes Tipo I Diabetes Tipo II
Vontade de urinar freqüentemente
e em excesso
Vontade de urinar freqüentemente e em excesso
Muita Sede Muita Sede
Perda de Peso acentuada Excesso de Peso
Fome acentuada Fome acentuada
Desanimo e cansaço Desanimo e cansaço
Visão turva Visão turva
Dificuldade de cicatrização de feridas Dificuldade de cicatrização de feridas
Dificuldade de cicatrização de feridas


Para diagnosticar a doença é realizado exame de sangue para verificar a Glicemia.

Caso tenha sido diagnosticado o Diabetes são necessários uma série de cuidados que envolvem vários aspectos. A incorporação de hábitos de vida saudáveis são fundamentais para a manutenção da qualidade de vida do diabético.

A alimentação é parte importante do tratamento do Diabetes. O acompanhamento nutricional visa:
  • Manter normal os níveis de glicemia
  • Oferecer uma dieta balanceada e adequada, contendo todos os nutrientes necessários.
  • Auxiliar o paciente na melhor escolha dos alimentos
  • Auxilia na manutenção do peso adequado
  • Avaliar e acompanhar o estado nutricional do paciente
 

 


e-mail: 
Nome:
  
            


É importante que o paciente entenda que a dieta deve ser personalizada, de acordo com as características individuais (sexo, idade, estado nutricional) e também pelo tipo de diabetes. Além disso, o acompanhamento nutricional deve ser periódico.

Algumas orientações são comuns aos dois tipos e devem ser incorporadas no hábito alimentar de todos os diabéticos. Alguns tipos de alimentos se transformam em glicose mais rápido no organismo e por isso é preciso controlar a ingestão dos mesmos.

  • A alimentação deve ser fracionada (várias refeições ao longo do dia) e em pequenas quantidades para evitar os picos de glicemia – aumento acentuado e rápido da glicose no sangue. Dê preferência para alimentar-se sempre nos mesmos horários e não pular nenhuma refeição

  • Atenção aos rótulos dos alimentos – o nutricionista irá auxiliar na escolha dos alimentos corretos.
Tipo de Alimento Fontes
CARBOIDRATOS:
são os alimentos que se transformam em glicose com maior facilidade. Estes alimentos devem fazer parte da alimentação, porém na quantidade adequada. O melhor é dar preferência aos carboidratos integrais, que demoram mais para serem digeridos, evitando assim os picos de glicemia.
Evitar:
Pães, massas, farinhas, arroz

Dar Preferência:
pães integrais, arroz integral, massas integrais.
PROTEÍNAS:
a quantidade deve ser ingerida de acordo com as necessidades individuais. Elas são importantes, pois constituem a massa muscular, cabelos, unhas e auxiliam no processo de cicatrização.
Evitar:
Carnes gordas (cupim, picanha), carnes com pele e gordura

Dar Preferência:
Carnes magras (carne vermelha, frango, peixe, ovo) Soja, feijão, lentilha, grão de bico.
  • Evitar preparações industrializadas e fritas.

  • Dar preferência a preparações grelhadas, cozidas e/ou assadas.
GORDURAS:
o excesso de gorduras na alimentação pode influenciar o surgimento de doenças cardiovasculares e aumento da pressão. Além disso, pode gerar um aumento de peso causando a resistência à insulina. Devem fazer parte da alimentação, porém consumidos com moderação.
Evitar:
alimentos gordurosos e industrializados, preparações fritas, leite e seus derivados integrais.

Dar Preferência:
preparações grelhadas, cozidas e/ou assadas, leite e seus derivados desnatados.
  • O consumo de azeite previne o surgimento de doenças cardiovasculares, porém a quantidade e forma de utilização devem ser discutidas com o nutricionista.
FIBRAS:
Os alimentos que contém fibras são muito importantes e devem fazer parte da alimentação do diabético. Eles diminuem os picos de glicemia após as refeições.
  • a quantidade a ser consumida deve ser balanceada de acordo com o restante da alimentação de cada paciente
Frutas, verduras e legumes
  • As frutas são fonte de fibras, porém possuem a frutose (açúcar da fruta) que também eleva os níveis de glicemia. A quantidade de frutas deve ser controlada e fracionada ao longo do dia.

  • Os legumes também possuem teores de carboidratos em sua composição e devem ser ingeridos na quantidade adequada.

Outro fator importante no tratamento é a prática de atividade física. Além de auxiliar na manutenção do peso (diminui o tecido gorduroso e aumento o tecido muscular), o exercício físico auxilia no transporte da glicose para as células sem a utilização da insulina. Este efeito ocorre somente no Diabetes Tipo 2. Vale ressaltar a importância do acompanhamento de um profissional capacitado.

 

Índice Glicêmico

Pessoas que apresentam algum tipo de alteração nas concentrações de açúcar no sangue devem ficar atentas ao Índice Glicêmico dos alimentos.

O Índice Glicêmico (IG) de um alimento pode ser definido como a capacidade e velocidade de um determinado alimento aumentar os níveis de açúcar no sangue. Quando um alimento possui um alto IG, significa que nosso organismo terá que liberar uma quantidade de insulina grande para conseguir normalizar os níveis de glicose.

Pessoas que apresentam deficiência nesta liberação de insulina, como ocorre com diabéticos, devem evitar alimentos de alto IG, assim como devem evitar carboidratos refinados e dar preferência aos integrais, pois estes são lentamente digeridos e, portanto apresentam um IG mais baixo.

Abaixo, segue uma tabela com o IG de diversos alimentos. São considerados alimentos com Alto Índice Glicêmico os que apresentam valores acima de 100.

 Ameixa

55

 Aveia, Farelo de Trigo e Pão de Mel

43

 Bagel, branco

103

 Baguette francês

136

 Banana

77

 Batata assada

121

 Batata cozida

93

 Batata Doce

77

 Beterraba

91

 Bolo Comum

98

 Bolo de banana feito com açúcar

67

 Bolo de banana feito sem açúcar

79

 Bolo de batata

77

 Bolo, pudim de leite condensado

93

 Capelline

64

 Cenoura

70

 Centeio, pão

78

 Cornflakes

119

 Croissant

96

 Donuts

108

 Espaguete

52

 Farelo de trigo

27

 Farinha de centeio, pão.

92

 Farinha de cevada, pão

95

 Fettuccine

46

 Hambúrguer, pão

87

 Inhame

73

 Kiwi

75

 Laranja

63

 Leite de Soja

43

 Leite desnatado

46

 Leite integral

39

 Lentilha

36

 Maçã

54

 Manga

80

 Mel

83

 Melancia

103

 Mingau de Aveia

87

 Muffins

88

 Musli

80

 Núcleo de Centeio, pão

66

 Núcleo de Cevada, pão

55

 Pão de Lanche

105

 Pão de trigo

99

 Pão de trigo branco

103

 Pão de trigo, fibra alta

97

 Pão de trigo, glúten livre

129

 Passas

91

 Pêra

53

 Pêssego

60

 Pêssego em calda

67

 Pizza de queijo

86

 Refrigerante de Laranja

97

 Semolina, pão

95

 Sorvete

87

 Suco de abacaxi

66

 Suco de laranja

74

 Suco de maçã

58

 Uva
66
 Waffle
109

O acompanhamento nutricional deve ser periódico para verificar a qualidade da alimentação e estado nutricional para proporcionar uma melhor qualidade de vida ao diabético.


               


 

Nutrição e Care
Nutrição Esportiva
Nutrição e Estética
Nutrição e Fases da Vida
Home Care
Nutritional Coaching
Personal Diet

Alimentação

Alimentação na Infância

Alimentação na Gestação
Alimentação do Idoso Alimentos Funcionais
Alimentação na Escola

Doenças

Alergia e Intolerância
Desnutrição
Diabetes
Dislipidemias

Gastrite
Úlcera
Doença do Refluxo
Obstipação Intestinal
Distenção Abdominal

Diverticulose
Hipertensão Arterial
Obesidade
Oncologia
Transtornos Alimentares


Menu principal

Equipe
Exames
Consultoria
Cursos
Mídia
Contato

Livros
Receitas